> > > Uso Misto

PROJETOS /

Uso Misto

A sustentabilidade tem sido a meta da maioria dos projetos de urbanismo para parques, praças, calçadas, passeios, avenidas, bairros inteiros e orlas, assim como para a revitalização de áreas públicas. É papel do arquiteto urbanista pensar em soluções para problemas urbanos, como a poluição e o congestionamento de carros, sem perder de vista o respeito às leis, como a do Zoneamento e o Plano Diretor, e sempre visando à qualidade de vida dos cidadãos.

Praças e parques

PR, ANTONINA, Brasil

Diferenciais técnicos:
Materiais predominantes:

Estúdio Gamboa de Arquitetura

Praças e parques

HO, HOOFDDORP, Holanda

NIO architecten

Revitalização

RJ, RIO DE JANEIRO, Brasil

Diferenciais técnicos:
Materiais predominantes:

A+ Arquitetura

Praças e parques

RS, PASSO FUNDO, Brasil

Ambiente e Aplicações:
Diferenciais técnicos:
Design /
Materiais predominantes:

IDOM

Praças e parques

BA, BANGUECOQUE, Tailândia

Ambiente e Aplicações:
Diferenciais técnicos:
Materiais predominantes:

/ TYIN tegnestue Architects

Aproximar as moradias do local de trabalho é um dos desafios da atualidade, a fim de melhorar a mobilidade urbana e evitar que as pessoas percam tempo demais nos trajetos. Uma possível solução são os empreendimentos mistos, assim como o investimento em transporte público, o que reduz, ainda, a emissão de CO². Mais do que “verdes”, os edifícios precisam ser construídos em áreas de fácil acesso, arborizadas, seguras e com boas opções de escolas, estabelecimentos comerciais e de lazer.

Outra preocupação bastante atual é com o consumo de água. Assim, sistemas construtivos que facilitem a drenagem e o uso racional desse recurso natural se fazem mais do que necessários.

Exemplos de urbanismo

O bairro da Água Branca, em São Paulo, pode ser considerado um bom exemplo de concepção urbanística porque tem como principal elemento o parque de mesmo nome. Seu projeto prevê vias que ligam o parque à estação Barra Funda do metrô, a áreas de lazer e às grandes avenidas que ficam ao seu redor.

O arquiteto paisagista Benedito Abbud e o arquiteto urbanista Felipe Abbud participaram da Casa Cor São Paulo em 2015 com o espaço “Se essa rua fosse minha”, uma calçada que faz do ato de caminhar uma atividade mais aprazível, devido às árvores, às plantas e aos banquinhos espalhados pelo caminho.

O contato com a natureza, por sinal, é outra tendência forte nos projetos urbanísticos. Árvores, além de proporcionarem conforto térmico, sombreiam o percurso. À noite, a iluminação LED garante a segurança dos transeuntes com estilo. Abbud é defensor do conceito de calçada viva, passeios públicos nivelados, arborizados e acessíveis a pessoas com deficiências físicas.

O projeto do condomínio residencial Cidade Jardim, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, é um exemplo de como o paisagismo pode ser usado como componente urbano em harmonia com o Plano Diretor da cidade. Os passeios para pedestres foram feitos com piso intertravado, asfalto e saibro, e vegetação nativa foi plantada por todo o espaço.

Na revitalização da Avenida Brasil, no centro de Foz do Iguaçu/PR, o escritório Slomp & Busarello Arquitetos teve como objetivo tornar a via uma atração por meio de um projeto paisagístico e arquitetônico simples, mas original, que priorizou o uso de madeira, aço, vidro e pedras. A cultura indígena foi valorizada em esculturas e desenhos no piso, criando uma identidade visual.

Leia a entrevista com Haroldo Pinheiro, presidente do CAU/BR (Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil).

Mantenha-se atualizado! Receba
gratuitamente os Boletins e Informativos
da Galeria da Arquitetura

E-mail cadastrado com sucesso!

Você ficará informado sobre tudo que acontece
no mundo da Arquitetura. Aproveite!

novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo