> > > Allianz Parque

Allianz Parque

Allianz Parque
Encravado no coração da cidade de São Paulo, o projeto do Palestra Itália venceu os desafios da pequena área com a estrutura imponente e soluções multifuncionais inteligentes Foto/Imagem:Divulgação Edo Rocha Arquiteturas

Arena otimizada

Da antiga estrutura do Palestra Itália sobrará apenas o terreno com a mesma metragem, o formato de ferradura e algumas edificações destinadas ao setor administrativo e a práticas esportivas. O estádio será todo modernizado em termos de estrutura, fachadas, arquibancadas, cobertura, layout e múltiplas funções. “Fomos convidados para tropicalizar o projeto, e acabamos refazendo ele inteiro”, comenta o arquiteto Edo Rocha, responsável pela obra desenvolvida em parceria com a construtora WTorre.

A nova arena, além de acomodar 45 mil pessoas durante os jogos de futebol – uma capacidade Fomos convidados para tropicalizar o projeto, e acabamos refazendo ele inteiro Edo Rocha bem acima dos 25 mil expectadores de antes – estará preparada para receber shows. O espaço projetado para ser flexível permitirá a montagem do palco para eventos mesmo durante uma partida de futebol e poderá receber entre 10 mil e 60 mil pessoas, quando o gramado também será utilizado. Limitado pelo terreno de pouco mais de 90 mil m², o tamanho do Palestra Itália pode ser considerado pequeno em comparação aos novos estádios projetados para a Copa de 2014. O fato de estar localizado em uma área central da cidade de São Paulo descartou a possibilidade de ampliação do terreno, mas despertou no arquiteto Edo Rocha soluções compensadoras para otimizar o espaço e garantir conforto aos usuários.

Arquibancada retrátil

Uma das soluções beneficia o acesso e a saída das pessoas durante grandes eventos. São as arquibancadas retráteis, localizadas próximas aos ‘vomitórios’, expressão utilizada para designar os espaços próximos aos acessos. “São cinco lugares ao todo, nos quais as cadeiras se recolhem inteiramente para facilitar o fluxo de entrada e saída de usuários em grandes shows”, explica Edo.

Ao ser acionado, o sofisticado sistema retrátil ‘faz desaparecer’ aproximadamente cento e cinquenta assentos, sendo apontado pelo arquiteto como uma tecnologia eficaz, embora não muito explorada no Brasil.

Concreto e aço

A escolha de uma estrutura formada por pilares de concreto pré-moldado apoia-se na flexibilidade oferecida pelo material, que favorece a montagem e a rapidez no processo. Já a cobertura será feita com vigas metálicas treliçadas. O apoio é dado por quatro vigas mestras, tanto na parte interna como externa da edificação. Elas possibilitam a instalação de escadas rolantes, saídas de emergência e caixas d'água, localizadas no topo. No piso, uma pintura de alta resistência cobrirá o cimento, criando um efeito de simplicidade e sofisticação. As vedações verticais serão feitas com fechamentos metálicos ondulados – alumínio ou inox – de O que define uma boa acústica não é a intensidade, é a compreensão. Se você entende o barulho, ele incomoda, e isso é ruim; mas se não entende, você se acostuma Edo Rocha diferentes tamanhos. A carenagem externa, totalmente em aço inox perfurado, atribui à arena uma couraça forte com bela textura, que lembra uma trama com espaços vazados, como se fosse um cesto de vime. As aberturas favorecem a ventilação natural e a cruzada, extremamente eficaz.

Outro benefício dessas perfurações é com relação à acústica. A absorção do som acontece debaixo da cobertura, quando ele se propaga mais do que difrata ao passar pelos vários tamanhos dos buracos existentes na fachada. “Esse é um fator positivo porque o que define uma boa acústica não é a intensidade, é a compreensão. Se você entende o barulho, ele incomoda, e isso é ruim; mas se não entende, você se acostuma”, explica Edo Rocha.

Cobertura translúcida

Verticalmente são 33 metros entre o piso e o teto que protegerá 100% das arquibancadas. Com estrutura metálica tubular e telhas zipadas termoacústicas de 10 cm de espessura, a cobertura terá 23,5 mil metros quadrados de área. Dessa extensão, 3 mil metros quadrados terão material translúcido, cujo objetivo é aproveitar melhor e manter a luz solar, reduzindo o uso de lâmpadas. O projeto de iluminação será realizado pelo luminotécnico Peter Gasperna nas áreas internas, externas e fachadas. Embora não esteja totalmente definido, provavelmente luzes de LED serão usadas na parte externa.

No interior, as cores do Palmeiras – três tons de verde e o bege – devem revestir as cadeiras com efeito inédito de camuflagem de exército. Mas há também a possibilidade de outra solução ser implantada: “Tratam-se de grandes palmas de folhagem, uma sobrepondo a outra, como se estivessem prestes a sair do campo. Ambas as ideias impressionam por parecerem um revestimento em terceira dimensão. Ainda não sabemos muito bem qual das ideias iremos usar”, admite Edo. Nos prédios administrativos o projeto executivo de reforma foi desenvolvido com base no partido arquitetônico desenvolvido pelo arquiteto português Tomás Taveira. Com seis andares mais térreo, os três edifícios reúnem vestiários masculinos e femininos, áreas de administração e ginástica, quadras e ginásio esportivo.

Práticas verdes

O projeto da Arena Palestra Itália prevê a implantação de uma série de práticas sustentáveis com a Trata de projetar uma obra para o outro se sentir realmente bem, em um lugar agradável, bonito, que o motive a se modificar e até assumir uma função melhor, diferente Edo Rocha finalidade de receber o certificado LEED do Green Building Council. Sob a consultoria do CTE, a construção terá gestão de eficiência energética e de resíduos, com projeto de coleta e utilização de água da chuva na irrigação do gramado. Os resíduos de demolição também têm destino certo. Eles serão reaproveitados na própria obra ou em outras construções. Segundo informações do site nova arena (www.novaarena.com.br), a iniciativa poupará 20 mil metros cúbicos de concreto e 4 mil toneladas de aço, material suficiente para levantar um edifício de, aproximadamente, 40 andares. O arquiteto Edo Rocha acrescenta outros pontos diretamente relacionados à sustentabilidade e ao início de uma mudança cultural, como a vigilância no uso de materiais que produzem CO². Um exemplo disso é dar preferência à compra de materiais em localidades próximas à obra, com restrição da quilometragem, queima desnecessária de combustível e, consequentemente, a produção do CO². Outra importante questão é a conservação da energia humana, determinada pela motivação positiva do ambiente sobre o usuário. “Trata de projetar uma obra para o outro se sentir realmente bem, em um lugar agradável, bonito, que o motive a se modificar e até assumir uma função melhor, diferente”, acredita.

Produtos utilizados nesta obra

weber.col cimentcola interno

Weber Quartzolit

weber.col cimentcola flexível

Weber Quartzolit

Decalux Save

Deca

Linha Carrara

Deca

Linha Duna Quadratta

Deca

Linha Disco

Deca

Hydra Duo Pro

Deca

Linha Ravena - Deca

Deca

Linha Vogue Plus

Deca

Escritório

Edo Rocha Arquitetura7 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2010
Conclusão da obra: 2013
Área do terreno: 90.277
Área construída: 93.284

Tipo de obra:
Estádios
Tipologia:
Esporte

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens

APROFUNDAMENTO TÉCNICO

Mantenha-se atualizado! Receba
gratuitamente os Boletins e Informativos
da Galeria da Arquitetura

E-mail cadastrado com sucesso!

Você ficará informado sobre tudo que acontece
no mundo da Arquitetura. Aproveite!

novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo