> > > Aigai Spa

Aigai Spa

Aigai Spa
No projeto do Aigai Spa, o generoso jardim vertical e a sucessão de pátios internos criam um ambiente intimista Foto/Imagem:Leonardo Finotti

Feito para relaxar

No cruzamento das ruas Natingui com a Macunis, tendo como vizinhos os bairros da Vila Mariana, Vila Madalena e Pinheiros, em São Paulo, um grande jardim vertical toma conta da fachada da moderna construção. O projeto arquitetônico do Aigai Spa, do arquiteto Mario Figueroa, tira partido do terreno singular, localizado em uma esquina, composto por uma grande faixa frontal com cinco metros de altura somada a uma área posterior de fundo.

Basicamente o verde e a água organizam o projeto Mário Figueroa

“Para quem vê de fora, existe a sensação de o edifício ser maior do que realmente é. Em primeiro lugar, isso acontece por causa da fachada verde. Também é resultado de uma sequência de pátios existentes entre o prédio e essa frente”, revela Mário Figueroa.

O muro verde, projetado pela paisagista Talita Buchier, representa uma mediação interessante entre a calçada e o jardim, pois transforma o recuo em uma inspiradora faixa de vegetação, tanto para o spa quanto para a cidade. Um oásis urbano e natural que conduz não só à natureza, mas a um lugar de repouso e proteção, feito para concentrar no relaxamento e dar ao corpo e à mente a oportunidade de se desconectarem.

Pátios conduzem a construção

Toda a construção se organiza a partir dos pátios internos. Integrados às salas por um vidro, oferecem a vantagem de quase duplicar a espacialidade das salas. “Alguns pátios são verdes, pois incorporam árvores que faziam parte da vegetação existente; outros, são pátios de água, por trazerem esse elemento representado em espelhos d'água. Assim, basicamente o verde e a água organizam o projeto”, explica o arquiteto.

Segundo Mário Figueroa, a interpretação e projeção dos pátios surgiu a partir de uma imagem trazida pela proprietária de uma caverna com um lago interno. Uma área de pedra e água que inspirava silêncio e proteção, além de sentimentos de otimismo e experimentação sensorial.

A construção possibilita o reuso da água. Apenas as águas utilizadas em tratamentos químicos ficam de fora Foto: Leonardo Finotti

Outra peculiaridade no projeto é o fato de nenhum desses pátios ser igual ao outro – cada um possui uma relação específica ao tipo de tratamento e de característica impressa nas salas. No volume superior, o maior de todos os pátios abre-se sobre a piscina, que ocupa quase a totalidade da lateral. “Neste ambiente é muito agradável deitar-se e aproveitar o calor do sol, admirar o céu e as nuvens... Isso nos remete a um relógio solar, afinal, dentro de um edifício com pátio é possível acompanhar o passar do dia, ver a sombra mudando e deslocando-se. É uma situação interessante”, comenta Figueroa.

Eficiência energética

No Aigai Spa, a luz natural predominantemente vem de cima. Apenas em alguns pontos específicos ela é lateral. Esta condição permite aos usuários do espaço observar a mudança da luz de maneira muito distinta. As salas pela manhã ou à tarde apresentam luzes diferentes, que atribuem a cada um dos espaços de tratamento virtudes e potencialidades únicas, em horários diversos.

Para tirar partido das forças da natureza – a luz e o vento, no inverno ou no verão – o arquiteto estabeleceu uma relação direta e franca com o meio ambiente. Ele atende às condicionantes do projeto, mas tira o máximo de proveito da insolação e, consequentemente, da economia energética propiciada e até da vegetação existente na vizinhança. “Tentamos nos aproveitar um pouco disso: das árvores da rua, incorporando-as nas visuais do projeto”, confessa Figueroa.

O muxarabi acaba amarrando um pouco a linguagem arquitetônica Mário Figueroa

Reuso de elementos naturais

Concreto, vegetação e água são, resumidamente, os três elementos principais da edificação. O edifício possibilita o reuso de todas as águas, com exceção das de tratamentos feitos com produtos químicos, como o shampoo.

Design: muxarabi

O concreto está presente no volume maciço sobre o edifício, que quase flutua pela fachada verde. Sobre esse bloco uma pele de madeira solta reveste a superfície como se fosse um muxarabi. “Na realidade, a trama expõe quadrados que geram essa pele e imprimem a sensação de que ela flutua. A solução repete-se em outros setores, como o forro e a área externa da piscina. O muxarabi acaba amarrando um pouco a linguagem arquitetônica”.

Essa organização especial das salas gera a possibilidade de cada ambiente ter um pátio próprio. “O projeto é otimizado, sem apresentar sobras, pois tudo tem um uso e é aproveitado visualmente”, conclui.

Escritório

figueroa.arq3 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2011
Conclusão da obra: 2014
Área do terreno: 740
Área construída: 1200

Tipo de obra:
Spas
Tipologia:
Comercial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow

Mantenha-se atualizado! Receba
gratuitamente os Boletins e Informativos
da Galeria da Arquitetura

E-mail cadastrado com sucesso!

Você ficará informado sobre tudo que acontece
no mundo da Arquitetura. Aproveite!

novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo