> > > Residência Laranjeiras VI

Residência Laranjeiras VI

Residência Laranjeiras VI
A residência projetada pelo arquiteto Gui Mattos tem térreo com vãos generosos e um primeiro andar estruturado com madeira de demolição vinda de uma autêntica casa de pescador desmontada Foto/Imagem:Alain Brugier

Refúgio de verão

Na encantadora e histórica cidade de Paraty, no Rio de Janeiro, no conhecido condomínio de veraneio Laranjeiras, o escritório Gui Mattos Arquitetura projetou uma construção que tira partido da madeira de demolição vinda de uma autêntica casa de pescador desmontada. A solução arquitetônica é, também, o reflexo da sensibilidade acurada de seus proprietários que sempre tiveram uma relação íntima com o mar. “A ideia foi muito bem-recebida porque o proprietário adora pescar e viveu próximo ao mar a vida toda”, conta o arquiteto Gui Mattos.


A ideia foi muito bem-recebida porque o proprietário adora pescar e viveu próximo ao mar a vida toda Gui Mattos

Outra questão que impulsionou o estilo rústico da residência foi o próprio condomínio Laranjeiras. “Ele tem um código com características construtivas específicas, no qual é necessário o cumprimento de algumas determinações – como a construção com telhas de barro. Caso contrário o projeto não é aprovado”, revela.

Design e sustentabilidade

O térreo ostenta uma caixa contemporânea, com um vão supergeneroso, feita para abrigar todo o setor social. Já o primeiro andar – onde ficam os dormitórios – explora elementos e conceitos simples, facilmente encontrados em uma singela morada de pescador.

De forma resumida Gui Mattos descreve seu projeto como uma casa de pescador sobre uma caixa. “Estruturalmente a moradia pode ser entendida como uma 'caixinha de fósforos'. Os dois volumes fechados formam uma edificação aberta para a rua e para a marina, com uma varanda posicionada no meio, que dá origem a uma impressionante sala de 18 metros”.

O andar superior surpreende pela autenticidade. A estrutura de madeira de demolição foi transportada para o condomínio e remontada. Gui explica que o proprietário da morada não só comprou a ideia sustentável de desconstruir a morada de pescador e remontá-la, como se envolveu diretamente na escolha, assumindo a personalidade arquitetônica do projeto.

Programa familiar

A casa simples, superior, com telhado de duas águas, contrasta com o piso inferior, indiscutivelmente contemporâneo, com um grande vão na frente e atrás. “Partimos para um projeto que atende uma família de pais com dois filhos e netos, por isso a planta prioriza seis quartos e uma grande cozinha gourmet – essencial para o casal de avós, que adora cozinhar”.

Com dois blocos, um de serviço e outro social, home theater, sala kids e uma oficina, os vãos são vencidos pelas grandes vigas metálicas. A casa térrea funciona como um terraço, porque as portas podem ser recolhidas, deixando o espaço totalmente livre e ventilado.

Materiais naturais e ecológicos

Residência Laranjeiras VI - Refúgio de verão
No pavimento superior, os quartos abrem-se para uma varanda de acesso, totalmente integrada à área externa Foto: Alain Brugier

Cerâmica, vidro e madeira compõem a construção. Inicialmente, a escolha da madeira recaiu em um tom natural, mas a chegada no escritório de um lote do material pintado despertou o interesse do arquiteto e do morador, que logo abraçou a ideia. “Ela é pintada, provavelmente com tinta a óleo de anos atrás, pois já está desgastada. Reaplicado, o material imprimiu uma estética diferente”, opina o arquiteto Gui Mattos. A madeira do telhado da antiga casa de pescador também foi reutilizada. Ela figura nos decks de acesso que funcionam como pontes no terreno caracterizado por um pequeno declive.

A madeira é pintada, provavelmente com tinta a óleo de anos atrás, pois já está desgastada Gui Mattos

Em uma das faces da residência, um painel de cerâmica cabocla se destaca. O cobogó é fabricado com o mesmo material da telha, de coloração avermelhada. Longe de ser apenas estética, a solução filtra a luz, permite a ventilação e protege os ambientes internos das intempéries. “Os cobogós deixam a iluminação natural entrar e permitem que a área de serviço e cozinha permaneçam sempre abertas”, finaliza o profissional.

Veja mais casas de praia:

Residência Mangaratiba, de Indio da Costa

Residência na Barra do Sahy, do Nitsche Arquitetos

Casa de praia, da Tammaro Arquitetura.

Escritório

GUIMATTOS5 projeto(s)

Local: RJ,Brasil
Início do projeto: 2011
Conclusão da obra: 2013
Área do terreno: 1.976
Área construída: 878

Tipo de obra:
Residência
Tipologia:
Residencial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens
novidadesfechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo