> > > Knorr-Bremse

Knorr-Bremse

Knorr-Bremse
Aço, concreto e vidro moldam a nova sede da Knorr-Bremse, a multinacional alemã que prioriza a integração tanto na sua estrutura quanto na convivência entre os funcionários Foto/Imagem:Leonardo Finotti

Integração total

Na nova sede da Knorr-Bremse – com projeto, estrutura e gerenciamento do escritório Loeb Capote – aço, concreto e vidro foram moldados para tirar partido da exuberante paisagem. O conceito de total transparência e integração visual entre as áreas administrativas e de produção e o bem-estar nortearam a construção beneficiada pelo terreno cuja face sul é voltada para a Serra do Japi.

A indústria está localizada no quilômetro 75 da rodovia Dom Gabriel O bloco que contempla restaurante e vestiário proporciona a vista completa da serra e do jardim Roberto Loeb Paulino Bueno Couto, que liga Jundiaí e Itu, em São Paulo, e tem cerca de 35 mil metros quadrados, distribuída em três blocos: um grande galpão com estrutura metálica, onde fica a área industrial; um volume reservado para os setores administrativos/escritórios; e um terceiro prédio destinado ao restaurante.

Tendo a transparência como forte característica do ponto de vista da eficiência interna, quem trabalha na administração ou na linha de produção se vê o tempo todo. Roberto Loeb explica que isso só é possível porque os escritórios sobre pilotis são dotados de uma grande varanda periférica que oferece ampla vista do complexo. “A partir dela é possível acompanhar a produção”, conta. Enquanto isso, uma ponte de aço com 45 metros interliga escritórios, área de lazer e banheiros.

“Já o bloco que contempla restaurante e vestiário, situado em uma cota abaixo da fábrica e dos escritórios, proporciona a vista completa da serra e do jardim. E o mais importante: sem mostrar a fábrica, porque esta o funcionário vê o dia inteiro. Nessa hora de descanso, é como se ele estivesse fora das instalações, em outro momento de seu dia”, evidencia Loeb.

Knorr-Bremse - Integração total
A área de produção é um verdadeiro mar de máquinas. Foto: Leonardo Finotti

Novas soluções para a sede brasileira

Para escalonar os edifícios, os arquitetos criaram um sistema por gravidade. No primeiro patamar ficam vestiários, restaurantes, áreas de serviço e o acesso aos ônibus. No segundo, escritórios e o piso da fábrica seguido, mais ao fundo, pelas docas, pela expedição e entrada e saída de materiais. “Do lado direito, onde existia um grande desnível no terreno, aproveitamos para planejar a parte de utilidades, caracterizada pelos compressores e pela saída dos resíduos, que já caem diretamente na caçamba. Essa foi uma forma de aproveitar a dificuldade inicial do terreno na implantação dos edifícios”, explica Loeb. No bloco industrial, o arquiteto Luís Capote, chama a atenção tanto para a dimensão dos vãos de 35 metros – proporção que se tornou possível com a adoção da estrutura metálica – quanto para a largura do galpão que atinge 140 metros. Dentro da área de produção, na fábrica, um dos escritórios chama a atenção. Trata-se de uma estrutura metálica que lembra uma espécie de barco ancorado em meio a um mar de máquinas. A transparência entre áreas interna e externa permite a quem trabalha acompanhar o ritmo do dia: se há sol ou chuva, se é manhã, tarde ou noite Luis Capote “Nele têm-se a impressão de que você está em um barco eternamente ancorado no edifício”, observa Capote. Embaixo ficam os laboratórios e oficinas que integram as áreas de usinagem e montagem que são as atividades da empresa. Na cobertura, um teto verde vai além da função contemplativa, constituindo um jardim especialmente projetado para os funcionários usufruírem do local planejado com bancos providenciais. Um verdadeiro mirante para a Serra do Japi.

Luz natural e cores intensas

A predominância do vidro também favorece a eficiente iluminação natural, pois diminui o uso da luz artificial diurna. Luis Capote enfatiza: “A transparência entre áreas interna e externa permite a quem trabalha acompanhar o ritmo do dia: se há sol ou chuva, se é manhã, tarde ou noite”.

Raramente usadas em indústrias, as cores intensas estão presentes nas paredes e escadas. De acordo com Loeb este foi um dos recursos empregados para ajudar a integrar os funcionários dos departamentos de produção e administração. “Aqui vivenciamos um importante trabalho desenvolvido passo a passo com o cliente, do projeto à escolha da construtora e das instaladoras até a decoração de interiores – layout, mesas, cadeiras, cores, eficiência e detalhamento de cada ambiente.”

Fornecedores desta obra

Forros

Owa Sonex

Escritório

LoebCapote Arquitetura e Urbanismo18 projeto(s)

Local: SP, Brasil
Início do projeto: 2008
Conclusão da obra: 2013
Área do terreno: 150.000
Área construída: 35.000

Tipo de obra:
Indústrias
Tipologia:
Industrial

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens

Mantenha-se atualizado! Receba
gratuitamente os Boletins e Informativos
da Galeria da Arquitetura

E-mail cadastrado com sucesso!

Você ficará informado sobre tudo que acontece
no mundo da Arquitetura. Aproveite!

novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo