> > > The Singular Patagonia

The Singular Patagonia

The Singular Patagonia
O monumento nacional é composto por quatro edifícios do patrimônio adjacentes a um cais de carga Foto/Imagem:Divulgação/The Singular

O antigo em boa forma

A construção erguida pelos ingleses data de 1915, e ainda guarda toda a robustez característica do antigo frigorífico Puerto Bories, localizado na região de Puerto Natales, Patagônia, extremo Sul do Chile. Transformado em um hotel boutique pelo arquiteto Pedro Kovacic e o designer de interiores Enrique Concha, o The Singular Patagonia passa a existir após um acurado retrofit. “A arquitetura histórica teve todas as áreas restauradas, além da manutenção preventiva e o reparo da estrutura de acordo com normas técnicas, materiais e formas originais. Mas a maior intervenção foi a construção de um prédio de três andares com janelões de vidro”, explica Pedro Kovacic.

A arquitetura histórica teve todas as áreas restauradas, além da manutenção preventiva e o reparo da estrutura de acordo com normas técnicas, materiais e formas originais. Mas a maior intervenção foi a construção de um prédio de três andares com janelões de vidroPedro KovacicDesde 1996, o edifício é considerado Monumento Histórico Nacional por sua importância cultural, industrial e arquitetônica. Por isso, a reforma e a construção representaram mais que uma simples obra. “De início, nossa preocupação consistiu na recuperação patrimonial feita para preservar as características do prédio, mas garantindo o uso e a manutenção atuais. Em seguida, focamos na indispensável sustentabilidade do edifício, uma vez que a construção original tinha outra finalidade”, esclarece o arquiteto.

A arquitetura moderna mostra-se com requintes de luxo, design e conforto totalmente distintos da arquitetura histórica. “Isto foi alcançado por meio da utilização do aço, vidro e de materiais nobres como a madeira”, arremata Pedro. O projeto durou cerca de 10 anos, desde o levantamento inicial dos planos originais do frigorífico, a restauração e substituição de itens em falta, até a construção do novo prédio.

Nova ala

Com 5 mil m², a nova ala ocupa o mesmo espaço onde anteriormente funcionavam as câmaras frias do frigorífico. Apenas as fundações foram aproveitadas, mas ao escolher esse lugar para a construção de 57 apartamentos, requintados restaurante e bar, além de um spa completo, manteve-se o volume patrimonial intacto, sem novas interferências.

Pedro Kovacic reforça: “A intervenção sobre a estrutura existente – necessária à conectividade do complexo – foi mínima. Até a altura do pé-direito do prédio é equitativa aos outros edifícios.” As confortáveis suítes de 47 a 70 m² são um lugar de contemplação e bem-viver, com teto de concreto aparente, janelas panorâmicas de 12 metros de comprimento e vista para lagos e fiorde da região.

Empregados com fartura, aço, vidro e madeiras nobres proporcionaram leveza inexistente ao prédio A intervenção sobre a estrutura existente – necessária à conectividade do complexo – foi mínima. Até a altura do pé-direito do prédio é equitativa aos outros edifíciosPedro Kovacic original, de tijolo e madeira. Juntas, linhas moderna e industrial convivem de maneira harmoniosa, incorporando um jogo de luz especial proveniente das treliças de madeira, da textura do aço policromático e da reciclagem de velhas vigas e troncos expostos por mais de um século. Elementos que transparecem em toda magnitude nas salas, nos salões, nas fachadas e nos acessos ao porão e ao spa.

Retrofit: modernização estudada

O processo de modernização do hotel não para. Há 1 ano, uma ampla reforma deu origem a novas instalações: sala de reuniões com capacidade para até 100 pessoas construída onde funcionava o escritório do frigorífico, espaço para ioga, butique de produtos artesanais e microcervejaria. Neste último espaço, são oferecidas degustações de cervejas artesanais acompanhados por ceviches (salmão e ostra) e pela famosa centolla, espécie de crustáceo gigante típico da região.

O projeto de retrofit também previu a construção de uma lareira no living bar e sistema de aquecimento no corredor de acesso ao museu privativo das máquinas do hotel. Tudo para atrair um novo público: o corporativo. Os novos espaços têm vista para o fiorde Última Esperança.

Em todos os ambientes – bar, restaurante e lounge integrados, salas de jantar, excursões e reuniões, além da recepção – a imponência se faz presente. O lobby lembra um imenso refeitório com teto altíssimo repleto de mesas e cadeiras, luminárias e sofás. O design figura em cada canto da decoração interior, pontuada de acabamentos metálicos e uma profusão de obras de arte, características inerentes a um hotel boutique, que prima pela exclusividade e serviço personalizado.

Meio ambiente intacto

Com o objetivo de intervir o mínimo possível na paisagem natural, o The Singular Patagonia valoriza ainda mais a obra ao preservar o aspecto arquitetônico da região de Magalhães, onde está inserido. “O hotel está postulando obter o selo LEED (Liderança em Energia e Design Ambiental da U. S. Green Building Council), uma prestigiosa certificação que inclui um conjunto de regras relacionadas ao uso de energias alternativas em edifícios, com base na qualidade ambiental interna, eficiência energética, eficiência do uso da água, desenvolvimento local sustentável e seleção de materiais sustentáveis”, revela Pedro Kovacic.

O hotel está postulando obter o selo LEED, uma prestigiosa certificação concedida a projetos sustentáveisPedro Kovacic Conserto, restauração, substituição e intervenções em geral receberam um cuidado especial, como a escolha de materiais com composição, textura, tipo, geometria e características idênticas às estruturas originais. Toda a intervenção seguiu um protocolo rigoroso com o meio ambiente para a certificação LEED.

Para isso o desenvolvimento do projeto respeita diversos fatores: condições climáticas,  hidrografia e ecossistemas do entorno em que o edifício está inserido, visando obter o máximo rendimento térmico com o menor impacto; eficácia e moderação no uso de materiais de construção, priorizando o baixo consumo de energia; redução do consumo de energia de calefação, refrigeração, iluminação e outros equipamentos; cumprimento dos requisitos de conforto, segurança, iluminação e ocupação dos edifícios para garantir um serviço de luxo aos hóspedes.

Passado resguardado

O maquinário usado no período em que no lugar funcionava um frigorífico foi preservado e hoje faz parte do museu privado do hotel, acessível aos hóspedes durante visita guiada. A história da propriedade está extremamente ligada à tradição da região baseada na criação de ovinos. Construída no início do século 20, a fábrica processava e congelava carne para exportá-la para o mercado europeu.

Durante quase setenta anos gerou empregos e foi fundamental ao crescimento dos moradores da Patagônia, influenciando a fundação da cidade de Puerto Natales, em 1911, durante o período de construção do frigorífico Puerto Bories. Por causa de sua importância cultural, industrial e arquitetônica, o imóvel foi declarado Monumento Histórico Nacional pelo governo do Chile, em 1996.

 

Escritório

Pedro Kovacic1 projeto(s)

Local: PA, Chile
Início do projeto: 2001
Conclusão da obra: 2011
Área construída: 5.000

Tipo de obra:
Hotéis
Tipologia:
Lazer e Turismo

Materiais predominantes:

Diferenciais técnicos:

Ambientes e Aplicações:

Slideshow

Ficha Técnica

Exibir mais itens

Mantenha-se atualizado! Receba
gratuitamente os Boletins e Informativos
da Galeria da Arquitetura

E-mail cadastrado com sucesso!

Você ficará informado sobre tudo que acontece
no mundo da Arquitetura. Aproveite!

novidades fechar
Receba o boletim da
Galeria da Arquitetura
veja um exemplo